09/02/2018 – GOIÁS – Zé Eliton qualifica como “obra de grande impacto” novo presídio inaugurado pelo governo em Formosa

Unidade vai abrigar 300 presos e tem investimentos de R$ 19 milhões. Com transferência imediata, cadeia da cidade será desativada. Ao lado do governador Marconi Perillo e da ministra do STF, Cármen Lúcia, vice-governador defende “ressocialização dos detentos e, automaticamente, o cumprimento da pena aplicada pelo Poder judiciário”

Comunicação Zé Eliton​

O vice-governador Zé Eliton qualificou como “obra de grande impacto” o novo presídio inaugurado pelo Governo de Goiás nesta sexta-feira (09/02), em Formosa, e a consequente desativação imediata do “Cadeião” da cidade. Os reeducandos daquela unidade, informou, serão transferidos “de imediato”. A nova unidade, que vai abrigar 300 presos, recebeu mais de R$ 19 milhões em investimentos.

Ao lado da presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Conselho Nacional de Justiça, ministra Cármen Lúcia, e do governador Marconi Perillo, Zé Eliton defendeu a “ressocialização dos detentos e, automaticamente, o cumprimento da pena aplicada pelo Poder judiciário”. Segundo ele, “estamos longe ainda do ideal, mas os passos estão sendo dados”. Acrescenta que “ampliamos o efetivo que atua na área do sistema penitenciário, conseguimos empreender ações no sentido de dotar de tecnologia e de informação adequada a área de inteligência para as situações ocorridas intramuros e extramuros”.

De acordo com o vice-governador, “houve, ao longo dos anos, abertura de diversas vagas no interior do Estado”. Outro fator que melhora o sistema em Goiás está no fato de o governo ter desativado praticamente todas as unidades prisionais que eram administradas pelas polícias Militar e Civil. “Com isso, conseguimos racionalizar a gestão daqueles que são abrigados nessas unidades”, explicou Eliton, que fez menção ao encontro nacional dos secretários de Segurança Pública, em Goiânia, realizado ano passado, para lembrar que medidas discutidas à época foram implementadas em Goiás, antes portanto das recentes rebeliões.

Diretor-geral de Administração Penitenciária do Estado de Goiás (DGAP), coronel Edson Costa apontou algumas das sugestões feitas por Cármen Lúcia, por ocasião da última visita da ministra em Goiânia, que foram executadas pelo governo de Goiás. Ele ressaltou que as medidas inibiram novas rebeliões. “Continuamos vigilantes para prevenir novas recidivas”, frisou ao relatar à ministra o tratamento “mais humanizado” ofertado no regime semiaberto e a disponibilização de mais tornozeleiras eletrônicas para os reeducandos com carta de trabalho.

Em discurso, Cármen Lúcia comentou a importância da nova unidade. “Esse é um passo importante para saber que, de um momento de crise que se experimentou aqui, como em outras cidades no Brasil no primeiro dia do ano, são possibilidades de se chamar atenção para que a resposta também seja mais rápida”, afirmou a ministra. “O que poderia levar muito mais tempo, faz com que a gente tenha de agir de maneira mais rápida, mais célere.”

Participaram também da solenidade de inauguração o Secretário de Segurança Pública e Justiça Ricardo Balestreri, o procurador Geral de Justiça de Goiás, Benedito Torres, o presidente do Tribunal de Justiça de Goiás, desembargador Gilberto Marques Filho, a defensora pública geral do Estado, Lúcia Gomes, o presidente do Tribunal de Contas do Estado, Kennedy Trindade, autoridades e lideranças de Formosa.