14/05/2018 – GOIÁS – Em Pirenópolis, José Eliton prestigia Folia do Divino Espírito Santo e reforça resgate às tradições de Goiás

►“Este é um momento de preservação da nossa cultura, um importante resgate das tradições de Goiás”
► Milhares de pessoas acompanharam a tradicional festa, que neste ano completa 199 anos

Gabinete de Imprensa do Governador de Goiás

Pirenópolis, 13 de maio de 2018 – O governador José Eliton prestigiou e participou neste domingo (13/05), em Pirenópolis, da chegada da Folia do Divino Espirito Santo, que desde o dia 5 deste mês percorreu seis fazendas e um povoado da região. “Este é um momento de preservação da nossa cultura, um importante resgate das tradições de Goiás”, afirmou o governador.

José Eliton, de chapéu, liderou a comitiva formada por mais de 200 cavalos, que percorreu quatro quilômetros pelas ruas de Pirenópolis para entregar a bandeira do Divino na casa do Imperador, João Paulo, na Rua Sizenando Jaime, no Centro da cidade. Milhares de pessoas acompanharam a tradicional festa. O prefeito João Batista Cabral, o João do Léo (DEM), esteve ao lado de José Eliton durante o trajeto.

Neste ano, a Festa do Divino de Pirenópolis completa 199 anos. A folia é um dos mais fortes elementos da festividade, que é realizada no domingo de Pentecostes, 50 dias após a Páscoa. “Esta é uma festa com forte caráter folclórico, com suas tradições e ampla participação popular”, resumiu Eliton.

Tradição
No dia 5, os foliões saíram no início da tarde da casa do Imperador João Paulo e rumaram para a Fazenda Santa Rita de Baixo, onde foram recebidos por Adãozinho e família para o primeiro pouso; no dia seguinte, foram para a Fazenda Santa Rita de Cima, sendo recebidos por Divina Marques e família; e depois, para a Fazenda Santa Rita, de Nelito e família.

No dia 8, os foliões foram para a Fazenda Chapada, onde Mazinho, esposa e demais familiares deram o tradicional pouso. No dia seguinte foram para o Povoado de Caxambu, onde dormiram uma noite na casa de Haniel, Mírian e demais familiares; e outra na casa de Neco e família.

No dia 11, os foliões foram para a Fazenda Raizama, de Antônio Santana; e no dia 12, para a Fazenda Seringueira, de Nivaldo e família. A Festa do Divino em Goiás é baseada, principalmente, nas relações de parentesco e vizinhança, que se organizam em mutirões para arrecadar fundos para a própria comunidade.