15/05/2019 – GOIÁS – Família é referência de profissionalismo em canteiro de obra em Goiânia

Numa mesma construção pai, dois filhos e sobrinho são colegas de profissão e demonstram que trabalhar em família é possível e tem suas vantagens

Dayse Luan

Trabalhar com familiares é algo que costuma ser evitado por muitos, devido à necessidade de separação das relações pessoais dos profissionais no ambiente de trabalho. Mas nesse dia 15 de maio, em que se comemora o Dia Internacional da Família, encontramos em Goiânia, numa mesma obra, um pai, dois filhos e o sobrinho atuando juntos e demonstrando que trabalhar em família é possível e tem suas vantagens.

Em 2012, o operador de betoneira Francisco Costa Nascimento, de 46 anos, veio do Maranhão para trabalhar na obra do Flam Park Residential Club, da Brasal Incorporações. “Eu comecei como ajudante, assim como todo mundo, mas tinha o sonho de crescer. Quando surgiu a chance eu fiz um treinamento oferecido pela Brasal e passei a trabalhar com a betoneira”, relembra Chicão, como é conhecido entre os colegas.

Meses depois, o filho mais velho Elivelton Silva Nascimento, de 24 anos, que já atuava na construção civil, também entrou na empresa, como ajudante geral. “Não tem coisa melhor do que trabalhar com a família, pois é um ajudando o outro, dando dicas. E o meu pai não deixa de ser pai, mas sempre mantém o profissionalismo, e por isso dá conselhos, como alguém com mais experiência no trabalho, mas também dá umas broncas quando acha que estamos conversando demais ou fazendo algo errado”, brinca Elivelton, que atualmente trabalha como operador de cremalheira, o elevador da obra.

Chicão conta que o filho mais velho trabalhava em outra empresa, mas não estava satisfeito. Quando surgiu uma vaga nas obras do Flam Park, ele conversou com a engenheira responsável, Sarah Stefan Rabelo, e sugeriu o nome do filho. Ela gostou do currículo do rapaz e decidiu dar um voto de confiança na indicação feita pelo pai.

Em 2013, o filho do meio, Edivaldo Silva Nascimento, de 22 anos, estava desempregado e em busca de uma oportunidade, foi quando, ainda na obra do Flam Park, surgiu a chance que precisava. Mais uma vez a indicação paterna fez a diferença e o jovem, que aprendeu o ofício com pai, foi admitido como ajudante de pedreiro. Ele está de férias atualmente, mas segundo Francisco, o filho tem o sonho de crescer na profissão. “Ele já me disse que quando tiver oportunidade quer se tornar pedreiro e ir se especializando”, diz Chicão com orgulho.

Primeiro emprego

No início de 2018, outro membro da família Nascimento ingressou na construção civil. Desta vez foi Robson Costa Nascimento, 20 anos, sobrinho de Chicão. O rapaz morava em Barra do Corda, no Maranhão, e assim como os primos veio do nordeste em busca de melhores oportunidades de trabalho. As boas referências profissionais da família mais vez uma ajudaram, e muito. “É meu primeiro emprego e estou gostando muito! A empresa oferece muitas coisas boas. É muito bom estar com a família por perto também, pois um vai ajudando o outro. O meu tio, por exemplo, quando ele vê que estou fazendo algo que não está certo já me orienta logo”, diz o ajudante geral na obra.

Francisco afirma que o sobrinho passava por dificuldades no nordeste. “O menino não tinha nem carteira de trabalho, mas eles [da Brasal] esperaram ele tirar toda documentação para começar”, diz o operador de betoneira, que além de Elivelton e Edivaldo, é pai de outros três filhos.

Exemplares

A engenheira de planejamento, custo e controle da Brasal Incorporações, Sarah Stefan Rabelo, revela que Francisco sempre foi um colaborador exemplar e apesar de trabalhar com os filhos, manteve uma postura profissional no canteiro de obras.

“Quando o Elivelton entrou ficamos surpresos com a boa interação deles em campo. O Chicão sempre cobrou desempenho dos filhos, e eles demonstram essa admiração pelo pai, sendo igualmente exemplares no seu trabalho”, afirma a engenheira Sarah, que foi quem deu a grande chance para a família Nascimento mostrar seu trabalho.

Sarah diz que Chicão e os filhos se tornaram uma referência de bom profissionalismo, tanto que foram recontratados em outras duas obras da empresa. “A última indicação do Chicão foi o sobrinho, e em nome da seriedade que ele e os filhos sempre demonstraram resolvemos dar uma chance ao garoto. Graças a Deus deu tudo certo. Ele, como os primos e o tio, é muito empenhado e disciplinando”, complementa Sarah.

O engenheiro Leonardo Guimarães Andrade, responsável pela obra do Cena Marista, onde a família Nascimento trabalha atualmente, reforça o bom relacionamento dos parentes e colegas de trabalho ao mesmo tempo. “São ótimas pessoas, gostamos muito deles. Geralmente, o trabalho em família pode ser ruim, mas eles são exemplo de que quando se sabe separar, as coisas podem dar certo, e muito. E o Chicão não deixa os meninos saírem da linha”, brinca o chefe da turma sobre o patriarca dos Nascimento.

O bom desempenho profissional dos filhos e do sobrinho animou Chicão a convidar mais um de seus filhos para trabalhar na construção civil. “Se aparecer outra oportunidade vou tentar encaixar o meu caçula”, revela o pai sobre Edinaldo Silva Nascimento, de 20 anos.