21/02/2019 – GOIÁS – Palestra sobre cenário econômico nacional marca lançamento do Lide Futuro Goiás

Zeina Latif participou do evento e defendeu reforma previdenciária como medida necessária para futuro saudável da economia brasileira

Ana Flavia Marinho

Nesta quinta-feira, 21 de fevereiro, a economista Zeina Latif esteve em Goiânia para o evento de lançamento do Lide Futuro – grupo de líderes empresariais que chega a Goiás para aproximar jovens empreendedores goianos e possibilitar network. O Lide Futuro já reúne mais de mil jovens em todo o País e é composto por pessoas físicas entre 25 e 40 anos que estão transformando e impactando os seus segmentos com novos modelos de atuação.

O presidente do Lide Goiás, André Rocha, abriu o evento comentando a importância de trazer aos jovens líderes um grupo tão consolidado nacional e internacionalmente. “O Lide Futuro é composto por empresários com a característica de buscar de maneira rápida a transformação da sociedade para o bem. Goiás é um lugar de pessoas empreendedoras que se destacam sobretudo no agronegócio. O goiano é empreendedor por natureza e queremos ajudar os jovens, sendo que muito já são líderes em suas áreas.”

Lucas D’Alcântara, formado em engenharia civil pela Unicamp, assumiu a presidência do Lide Futuro e lançou a agenda de eventos do grupo, com mais de 20 encontros, para o ano de 2019. “Nosso propósito é a união de jovens empresários para proporcionar a troca de experiências. Buscamos a união não só dos jovens empresários, mas com os grandes empresários. Essa possibilidade de trocas é uma ferramenta de transformação da nossa sociedade. Vamos tirar muita gente da zona de conforto.” O presidente do Lide Futuro destacou o momento importante do Brasil, com recentes posses tanto no governo federal quanto estaduais, o que trouxe uma mudança significativa de mindset.

Os diretores da Nexgen Capital foram também anfitriões do evento. Daniel de Paula comentou os investimentos precisam passar por transformações em todos os níveis. “Nós já começamos a fazer várias coisas nas nossas vidas de maneira diferente, mas na questão dos investimentos ainda agimos como antigamente. É no modelo de inovação que os investimentos devem seguir.”

A economista-chefe da XP Investimentos e um dos grandes nomes do setor no Brasil, Zeina Latif, destacou os principais pontos que devem impactar na economia brasileira. “O Brasil está num momento particularmente importante. Do ponto de vista econômico, esta eleição presidencial foi a mais importante da nossa historia”, afirmou.

A economista trouxe reflexões importantes a respeito dos últimos governos federais, chegando ao atual, com o presidente Jair Bolsonaro. “Se este governo não tiver ambição, a gente pode colocar em risco nossa capacidade de crescer.” Segundo ela, o Brasil vive sua mais grave crise fiscal da historia e, hoje, o aumento da carga tributária não é a saída adequada para este problema.

Com relação ao governo Temer, Latif ressaltou como mérito o debate sobre a necessidade de cortar despesas. “Mais de 90% do orçamento público federal é composto por despesas obrigatórias. Disso, 60% é destinado à previdência.”

São parceiros do Lide Futuro a Nexgen Capital, XP Investimentos, City Soluções Urbanas e Nelson Willians Advogados Associados.

Reforma da previdência

Zeina Latif reforçou a necessidade de aprovação da reforma previdenciária, proposta pela presidência da República ao Congresso Nacional, que traz mudanças significativas com relação a idade mínima de aposentadoria e tempo mínimo de contribuição. “A previdência é o que mais pesa no orçamento e nossa população está envelhecendo rapidamente. Nós gastamos com a previdência 14% do Produto Interno Bruto (PIB).”

Sobre o assunto, a economista defendeu que a população deve apoiar as medidas. “Sem reforma, vamos ficar velhos e pobres, o que não é uma boa combinação. Isso já não esta mais cabendo no orçamento.” Para exemplificar, comentou as situações financeiras dos estados, destacando Goiás como unidade federativa que está “quebrada”, em busca de apoio do governo federal. “A maioria dos estados não está conseguindo cumprir a lei de responsabilidade fiscal. Mais do que o arrecadado em receita liquida está comprometido com o pagamento do funcionalismo e esse quadro só vai piorar, já que metade desses trabalhadores tem mais de 50 anos.” Segundo ela, o sistema de previdência é excessivamente benevolente para aquilo que se pode pagar.

No ponto de vista de Latif, a reforma é uma questão de sobrevivência do país e o crescimento das dívidas é um passo para inflação. “Não é por causa das reformas que vamos crescer. A reforma é o alicerce do crescimento. Só o ganho de confiança que vem coma reforma da previdência é insuficiente. Durante os governos do Fernando Henrique Cardoso e do Lula, viemos acompanhando o desenvolvimento do mundo. Com o governo Dilma, a produção caiu. O Brasil vai dar certo, o que a gente não sabe é a velocidade de quando vamos conseguir acompanhar o mundo novamente”, finalizou.